top of page

Workshop debateu desafios enfrentados pelas mulheres na política

Workshop “Summit Eleições” foi realizado pelo Movimento Vote Nelas Paraná e pela Procuradoria da Mulher da Câmara de Curitiba


Uma mulher aparece de costas, vestindo uma camiseta roxa com a frase "Escolha mulheres, Mude a política". Ela está de frente para uma plateia
Objetivo do evento foi capacitar mulheres para a carreira política e fortalecer candidaturas femininas nas próximas eleições municipais. Foto: Bruno Slompo/CMC

Parlamentares e pré-candidatas se reuniram no auditório da Câmara Municipal de Curitiba (CMC), na última sexta-feira (26), para participar do workshop “Summit Eleições”. Realizado pelo Movimento Vote Nelas Paraná e pela Procuradoria da Mulher (ProMulher), o evento chamou a atenção sobre os desafios para se ampliar o número de mulheres eleitas vereadoras e prefeitas, em busca de uma democracia mais forte e inclusiva.


“Dia 6 de outubro de 2024 a gente precisa ter o dobro de vereadoras eleitas neste estado e o dobro de prefeitas eleitas neste estado”, disse a embaixadora do Vote Nelas Nacional e do Paraná, Isabela Lustosa. Ela falou da criação do movimento local, em 2019, e que o trabalho de conscientização é “de formiguinha”. “O lugar de mulher também é na política”.


“Acho que é minha obrigação, como política eleita já há oito anos, contar a real para vocês: a mulher na política vai apanhar muito, não é pouco", alertou a vereadora Maria Leticia (PV).


A parlamentar compartilhou sobre o processo que enfrentou no Conselho de Ética da CMC que poderia ter resultado na perda do mandato. "Quando surge a primeira possibilidade, a primeira fragilidade, a primeira vulnerabilidade, eles querem cassar você. Banalizou-se a cassação de políticos eleitos pelo voto popular. Nós estamos ocupando esses espaços porque fomos eleitas, não porque ganhamos um sorteio."


Ela avaliou que é necessário refletir e fazer o enfrentamento do que leva à menor representação das mulheres nos espaços de poder, como a sobrecarga de trabalho, a responsabilidade pelo cuidado, a violência política de gênero e o assédio.


Apesar de destacar as dificuldades pelas quais as mulheres eleitas passam, a vereadora Maria Leticia finalizou a fala convocando todas as participantes do evento. “A gente tem que avançar puxando outras mulheres com a gente, este é o dever de uma mulher eleita: trazer mais mulheres com ela”, propôs.


Mulher branca vestindo uma camisa branca fala em microfone no púlpito.
“A gente tem que avançar puxando outras mulheres com a gente", afirmou a vereadora Maria Leticia. Foto: Bruno Slompo/CMC

“Só pegar um dado da violência conta a mulher mostra muito isso, a nossa necessidade de avançarmos nestes espaços onde se definem políticas públicas”, alertou a deputada estadual Márcia Huçulak (PSD). Para ela, é necessário a mulher “se colocar” na política e avançar, sim, com mais cadeiras nas casas legislativas.


Workshop


Com cinco painéis, o evento discutiu captação de recursos, planejamento e criação de identidade na campanha, marketing eleitoral, além de violência política de gênero.


Com a participação da professora e diretora do projeto de empreendedorismo tecnológico feminino na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Rosangela Stankowitz, o primeiro painel falou sobre educação e como as mulheres, embora muitas vezes mais qualificadas que os homens, ocupam poucos espaços de liderança.


O painel seguinte, sobre justiça eleitoral, contou com a fala da presidente do Núcleo de Inclusão e Diversidade (NID) do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR), a desembargadora substituta do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) Flávia da Costa Viana. A magistrada apresentou dados sobre a baixa participação feminina nas Câmaras e no Senado Federal do Brasil, e chamou a atenção para a violência política de gênero.  


Seguindo a discussão, Isabela Lustosa, a empresária Tatiane Pezente e a advogada Bruna Fogaça trataram da jornada do Vote Nelas Paraná e de como fortalecer o movimento em cada município. Daniele Hostins trouxe estatísticas sobre o cenário eleitoral do Paraná e discorreu sobre a trajetória das candidatas.


Andreia de Lima, liderança comunitária e suplente na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), e Carine Piasseta, ativista social e docente do Instituto Federal do Paraná (IFPR), participaram do painel sobre os desafios das pré-candidatas na diversidade dos contextos sociais. As palestrantes falaram da necessidade das mulheres contarem com uma rede de apoio dentro da política para enfrentar as violências.


O painel "Mulheres líderes que fazem a diferença" teve participação da ativista e comunicadora popular, Miss Preta, e da mestre em Gestão Ambiental e advogada, Carolina Maia.


Por fim, a presidente da Comissão das Mulheres Advogadas da OAB Paraná, Emma Roberta Bueno, deu dicas às candidatas sobre como evitar a fraude da cota de gênero.


*Com informações da Câmara Municipal de Curitiba

bottom of page